10 April 2009

Embriagai-vos



É preciso estar sempre ébrio. É tudo: eis a única questão. Para não sentir o terrível fardo do Tempo que vos quebra as costas e vos inclina para a terra, tendes de embriagar-vos sem tréguas.Mas de quê? De vinho, de poesia ou de virtude, à vossa escolha. Mas embriagai-vos, E se porventura, nas escadas do palácio, na relva verde de uma vala, na solidão morna do vosso quarto, despertardes, a embriaguez já fraca ou desaparecida, pedi ao vento, à onda, à estrela, ao pássaro, ao relógio, a tudo o que se esvai, a tudo o que geme, a tudo o que passa, a tudo o que canta, a tudo o que fala, perguntai que horas são; e o vento, a onda, a estrela, o pássaro, o relógio responder-vos-ão: “ Está na hora de se embriagarem! Para que não se tornem escravos martirizados do Tempo, embriagai-vos; Embriagai-vos incessantemente! De vinho, de poesia ou de virtude, à vossa escolha!”


Autor: Charles Baudelaire (Paris-1821/1867)
Imagem: Claudia Marcu

14 comments:

  1. ...eu faço isso todos os dias...ou não viveria!
    Abraços.

    ReplyDelete
  2. O original é um poema do Ciclo do Vinho:

    Deves estar sempre embriagado
    Nada mais importa
    Para que o horrível facto do tempo
    Não vos pese sobre os ombros
    E vos faça pender para a terra
    Deveis embriagar-vos sem cessar
    Mas de quê?
    De vinho, de poesia ou de virtude, à vossa escolha.
    Mas embriagai-vos.
    E se um dia, nos degraus de um palácio,
    Na erva verde de uma valeta,
    Na solidão baça do vosso quarto
    Acordardes já sóbrios
    Perguntai ao vento, à onda, à estrela, à árvore, ao relógio,
    A tudo o que foge, a tudo o que geme, a tudo o que rola,
    A tudo o que canta, à tudo o que fala, perguntai:
    «Que horas são?»
    E o vento, a onda, a estrela, a árvore, o relógio
    responder-vos-ão:
    «São horas de vos embriagar-vos,
    Para que não sejais os escravos martirizados do tempo,
    Embriagai-vos sem cessar,
    De vinho, de poesia ou de virtude
    A vossa escolha.»

    ReplyDelete
  3. Gothicum,

    Carpe Diem...n'est pas?


    Kisss...



    R.,

    Cheers...menina azul ;)


    Kisss...



    Lord,

    Voilá! Interessante tradução...


    Kisss...

    ReplyDelete
  4. Só há uma forma de chegar ao fundo do poço: através da veia da essência

    ReplyDelete
  5. Tenho passado grande parte do meu tempo, demasiado sóbria...

    Obrigada, Witch, por me recordares deste poema :)*

    ReplyDelete
  6. E o estado de embriaguês constante da alma? Sem carecer de qualquer estímulo externo?... Basta querer... :)

    Texto verdadeiramente incrível...

    Bj

    ReplyDelete
  7. Porcelain Doll,

    Vejo que sabes como conseguir esse querer...e é essencial, essa constância.
    O texto. Incrível sem dúvida...apaixonei-me por ele assim que o li.
    Grata pela visíta.


    Kisss...

    ReplyDelete
  8. Um grande conselho!
    Detesto a sobriedade da alma vazia

    ReplyDelete
  9. A vida sóbria perde a côr.... ;)

    (e eu que gosto tanto do vermelho... )

    Blood Kisses

    ReplyDelete
  10. Transcendente,

    Grata pela visita :)

    Kisss...



    Blood Tears,

    não podia estar mais de acordo contigo!

    Kisss...

    ReplyDelete